Portal | ADSMC

Notícias da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em São Miguel dos Campos/AL.

Atendimento

terça, quinta e sexta das
08h às 13h.
(82) 3271 2498
adsmc@uol.com.br

→ Notícias

Lição 07 – A Teologia de Bildade: Se há sofrimento, há pecado oculto?

Comentário Pr. Jairo Teixeira Rodrigues.

Publicado em 14 nov 2020

TEXTO ÁUREO

“Se teus filhos pecaram contra ele, também ele os lançou na mão da sua transgressão.” (Jó 8.4)

Introdução: DEUS é reto e justo. Ele é santo. Nesta lição veremos a contraposição que Bildade faz do caráter de DEUS com o pecado humano. Logo, se DEUS é santo e justo Ele não compactua com o pecado oculto de uma pessoa. Essa é uma doutrina correta. Isso constatamos ao longo de toda a Escritura. Entretanto, a acusação de pecado oculto se aplicaria a Jó? O livro deixa claro que não. O problema de Jó não era o pecado oculto. Embora seu amigo Bildade o acusasse, ele estava certo de que não havia nada a esconder. O diálogo de Jó e Bildade deve nos levar a seguinte reflexão: os problemas que se abatem na vida dos servos de DEUS quase sempre não podem ser explicados de forma simplista.

I – O PECADO EM CONTRASTE COM O CARÁTER JUSTO E SANTO DE DEUS.

Vemos a Teologia da prosperidade contida tanto na Teologia de Elifaz quanto na Teologia de Bildade. (Jó 8.1-22). Para Bildade a Teologia de Jó condena DEUS a ser punidor também do justo. Como sabemos que DEUS não é injusto, só restava a alternativa de que Jó estava em pecado e não queria reconhecer.

A teologia de Bildade se resume a duas teologias, a dos maus e a dos bons.

Bildade também acusa os filhos de Jó – Jó 8.4 – Se teus filhos pecaram contra ele, também ele os lançou na mão da sua transgressão.

Bildade assevera que os filhos de Jó foram mortos porque eram maus (8.4); por outro lado, como um homem que alegava ser justo e bom, Jó poderia desfrutar novamente do favor de DEUS se reconhecesse o seu pecado (Jó 8.5).

Para Bildade DEUS estava certo em punir os filhos de Jó, porém, se Jó dizia- se inocente, por que estava sendo punido também?

Realmente os filhos de Jó podem ter sido mortos porque eram maus. Basta estudarmos sobre eles para constatarmos que eram maus :

Agora Satanás atinge os filhos de Jó – Ele perdeu em um só dia seus dez filhos de forma calamitosa – sete filhos e três filhas.

Será que Satanás podia matar os filhos de Jó? Satanás não matou Jó porque DEUS não permitiu e não matou sua esposa porque sua conversa com DEUS não era sobre ela. já os filhos de Jó estavam sujeitos a morte por causa de seus constantes pecados e insistência neles. Viviam de banquete em banquete.

Os filhos de Jó eram filhos de belial como os filhos de Eli (Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial e não conheciam o Senhor; 1 Samuel 2:12), de Samuel (Porém seus filhos não andaram pelos caminhos dele; antes, se inclinaram à avareza, e tomaram presentes, e perverteram o juízo.1 Samuel 8:3) e de Davi (Amnon, estuprou sua irmã Tamar 2 Samuel 13:1-14, Absalão, mata seu irmão Amnon. 2 Samuel 13: 23-32, Absalão persegue Davi, com o intuito de tomar seu reinado. 2 Samuel 15, Absalão, teve relaxão sexual com as mulheres do pai em praça pública. (2 Samuel 16:22) , como de tantos outros servos de DEUS.

E iam seus filhos e faziam banquetes em casa de cada um no seu dia; e enviavam e convidavam as suas três irmãs a comerem e beberem com eles. Sucedia, pois, que, tendo decorrido o turno de dias de seus banquetes, enviava Jó, e os santificava, e se levantava de madrugada, e oferecia holocaustos segundo o número de todos eles; porque dizia Jó: Porventura, pecaram meus filhos e blasfemaram de DEUS no seu coração. Assim o fazia Jó continuamente. Jó 1:4,5

E sucedeu um dia, em que seus filhos e suas filhas comiam e bebiam vinho na casa de seu irmão primogênito, que veio um mensageiro a Jó e lhe disse: Os bois lavravam, e as jumentas pasciam junto a eles;

e eis que deram sobre eles os sabeus, e os tomaram, e aos moços feriram ao fio da espada; e eu somente escapei, para te trazer a nova. Jó 1:13-15

O texto sagrado diz: “Estando teus filhos e tuas filhas comendo e bebendo vinho, em casa de seu irmão primogênito, eis que um grande vento sobreveio dalém do deserto, e deu nos quatro cantos da casa, a qual caiu sobre os jovens, e morreram” (vv.18,19).

Os filhos de Jó eram beberrões e glutões. Isso é mostrado nos textos acima que dizem: “comendo e bebendo vinho”

Seus banquetes eram cotidianos (já deveriam ser alcóolatras) – “em casa de cada um no seu dia”

Além de viverem de festa em festa, convidavam suas irmãs – “enviavam e convidavam as suas três irmãs a comerem e beberem com eles”

Seus pais nunca estavam nessas festas. Veja que toda tragédia aconteceu no dia em que festejavam e as notícias foram levadas a Jó e sua esposa que não estavam na festa.

Os filhos de Jó eram malandros, não trabalhavam – Veja que toda tragédia aconteceu no dia em que festejavam e os trabalhadores estavam no campo trabalhando.

Depois de cada festa Jó tinha que santificar seus filhos – santificar quem já estava santo?

Jó oferecia sacrifícios por seus filhos – Indica que seus filhos haviam pecado.

Sucedia, pois, que, tendo decorrido o turno de dias de seus banquetes, enviava Jó, e os santificava, e se levantava de madrugada, e oferecia holocaustos segundo o número de todos eles; porque dizia Jó: Porventura, pecaram meus filhos e blasfemaram de DEUS no seu coração. Assim o fazia Jó continuamente. Jó 1:4,5

Novamente provamos que os filhos de Jó eram pecadores, com a fala de Bildade. Jó 8.4 Se teus filhos pecaram contra ele, também ele os lançou na mão da sua transgressão.

II – O PECADO EM CONTRASTE COM A MAJESTADE DE DEUS.

No discurso de Bildade, sua intenção é exaltar DEUS e rebaixar Jó (Jó 25.1-6). Nos três discursos Bildade acusou Jó de estara em pecado e Jó se defendeu. Agora já não restava mais argumentos e Bildade repete o que já disse antes, mas procura fazer com que Jó veja sua pequenez em comparação a DEUS.

No capítulo 25 Bildade destaca a onipotência divina (DEUS é poderoso – pode qualquer coisa). DEUS é grande e poderoso (v.2). Por não crer na imanência de DEUS (DEUS presente conosco), Bildade aumenta mais ainda a distância entre Jó e DEUS. A Teologia de Bildade era a deísta, DEUS criou o mundo, mas ausentou-se dele. No final do Livro vamos ver DEUS bem presente na vida de Jó.

Podemos refutar isso de maneira bem simples e objetiva – DEUS mora em nós através do ESPÍRITO SANTO.

JESUS respondeu e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada. João 14:23

Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do ESPÍRITO SANTO, que habita em vós, proveniente de DEUS, e que não sois de vós mesmos? 1 Coríntios 6:19

no qual também vós juntamente sois edificados para morada de DEUS no ESPÍRITO. Efésios 2:22

Qualquer que confessar que JESUS é o Filho de DEUS, DEUS está nele e ele em DEUS. 1 João 4:15

Se alguém destruir o templo de DEUS, DEUS o destruirá; porque o templo de DEUS, que sois vós, é santo. 1 Coríntios 3:17

Não sabeis vós que sois o templo de DEUS e que o ESPÍRITO de DEUS habita em vós? 1 Coríntios 3:16

o ESPÍRITO da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós. João 14:17

CONCLUSÃO: O fato de estarmos no mundo, contaminado pelo pecado, também isso nos faz sofrer. Jesus conscientizou os seus seguidores desta árdua verdade: “[…] no mundo tereis aflições […]” (Jo 16.33). Ser filho de Deus não dá imunidade ao sofrimento. Pelo contrário, há tribulações que são pertinentes a vida daqueles que servem a Deus (Mt 5.11,12; At 14.22; 2Tm 3.12), pelo fato de sermos santos num mundo perverso e por que somos provados para sermos aperfeiçoados (Sl 119.71; 1Pd 4.12), através do sofrimento tal qual Jó (Jo 23.10; 42.2). Deus permite muitas vezes o sofrimento, para moldar nosso caráter. De certa forma a provação deve até ser acolhida com prazer (Rm 5.3), pois tais provações têm algumas finalidades. São elas para mostrar ao homem a sua própria fraqueza e conscientizá-lo de sua dependência divina (Dt 8.3,16); Para aperfeiçoar o seu caráter (Is 48.10); Para aprofundar o seu conhecimento em relação a Deus (Jó 42.5); E conceder-lhe experiências (Rm 5.3; 2Co 1.3); Para provar e aperfeiçoar a sua fé (1Pd 1.7); e, por fim, para corrigir os erros cometidos (Sl 119.67,71; Dt 8.5; Hb 12.6). A Bíblia nunca sugeriu aos crentes que sua vida seria um caminho fácil. Pelo contrário, adverte-os que se encontrariam envoltos em “várias provações e afições” (Jo 16.33; Tg 1.2). Assim, sabemos que enfrentaremos muitas “provas e tentações”, porém de todas nos livrará o Senhor da glória. Que Deus nos ajude. Amém!


Comente a matéria

*Seu e-mail não será publicado.

*
*

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
YouTube
YouTube
Instagram