Portal | ADSMC

Notícias da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em São Miguel dos Campos/AL.

Atendimento

terça, quinta e sexta das
08h às 13h.
(82) 3271 2498
adsmc@uol.com.br

→ Notícias

LIÇÃO 11 – O PRESBÍTERO, BISPO OU ANCIÃO.

Publicado em 12 jun 2021

Tito 1:5

INTRODUÇÃO

-Vamos definir o que é a função do presbítero na igreja.

-Também é importante discutir a importância dessa função.

-Bem como os deveres dos presbíteros.

– Nós passaremos a estudar hoje, as funções eclesiásticas, começando pela de presbítero, bispo ou ancião.

– O presbítero, bispo ou ancião é uma atividade tipicamente pastoral na igreja local.

-Como líderes os presbíteros estão para a congregação como um pastor de ovelhas para o rebanho. Por isso, eles alimentam com a Palavra de Deus, ajudando o rebanho a crescer espiritualmente e ficando alertas contra quaisquer perigos de erro ou pecado, que seria uma ameaça para o bem-estar espiritual do rebanho (1Ts 5.14).

I – A ESCOLHA DOS PRESBÍTEROS 

-Tem que ser uma pessoa experiente na Fé, ser um apascentador de ovelhas, e as qualificações de (Tito 1:6-9; 1Tm 3:1-7).

-É bom desejar ser um líder espiritual. Desejar significa “dirigir o coração em direção a alguma coisa”. A liderança é uma excelente obra. Paulo destacou a sua importância. No entanto, como ele iria mostrar, os padrões são elevados. Cada um faça as contas de quanto custará a ele, à sua família e à sociedade em que vive, só depois decida se entregar totalmente ao ministério.

Isto significa mais que “ter facilidade em falar”, ou “ser muito extrovertido”, ou “dar-se bem com as pessoas”, ou “ser líder nato”. Algumas destas qualidades podem complementar o equipamento espiritual essencial, mas nenhuma o substitui. Nada pode substituir a unção do ESPÍRITO SANTO, nada é mais importante ou melhor do que a presença de DEUS.

– Após termos estudado a respeito dos dons ministeriais, vamos, nas duas próximas lições, analisar as chamadas “funções eclesiásticas”, ou seja, as funções estabelecidas na igreja local, que são as funções de presbíteros e de diáconos.

– O saudoso pastor Severino Pedro da Silva, considerava que a Igreja possui “sete colunas”, consoante nos dá conta Salomão em Provérbios 9:1, onde se verifica que a “casa da Sabedoria”, ou seja, a Igreja do Senhor Jesus Cristo (Hb.3:3), tem sete colunas, que são os cinco dons ministeriais (apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres) e as duas “funções eclesiásticas”, a saber, os presbíteros e os diáconos.

-Não encontramos no Novo Testamento, em hipótese alguma, os presbíteros ou bispos que exerciam o governo na igreja se colocando em posição de domínio ou superioridade “especial” sobre companheiros os crentes em geral. É neste sentido que Pedro

escreve: “Aos presbíteros que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbíteros com eles, e testemunha das aflições de CRISTO, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de DEUS que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS, mas, servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória. (1 Pe 5.1-4, ARC).

Percebam a humildade do apóstolo ao afirmar “sou também presbítero com eles”, em vez de “sobre eles”. Dessa forma, mesmo que o “anjos” nas cartas às igrejas da Ásia (Ap 2-3) sejam interpretado como um presbítero-líder, isso não o colocava em posição de domínio absoluto sobre os demais. As decisões na igreja do Novo Testamento sempre foram tomadas em conjunto (At 1.15-26; 6.1-6; 15.22-29).

II – OS DEVERES DO PRESBITÉRIO

1. Apascentar a igreja.

A natureza e o significado honrosos do cargo ou da função do presbítero ou bispo lhe confere muitas responsabilidades. Seus deveres são inerentes às suas qualificações. Deveres, conforme indicam os textos bíblicos sobre o presbítero:

APASCENTAR A IGREJA

Os presbíteros, como pastores, na igreja local, têm o dever de alimentar o rebanho de CRISTO, com a sã doutrina, que é o alimento puro, saudável e nutritivo para sua vida espiritual, social, moral, familiar, como cidadão do céu e da terra. O apóstolo Pedro exorta muito bem aos presbíteros quanto a esse dever primordial de sua missão: “Apascentai o rebanho de DEUS que está entre vós…” (1 Pe 5.2a).

CUIDAR DO REBANHO

Diz Pedro aos presbíteros que devem apascentar “o rebanho de DEUS”, “tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS, mas servindo de exemplo ao rebanho” (1 Pe 5.2,3). Os cuidados pastorais com as ovelhas requer muita graça e capacidade, concedidas por DEUS. O presbítero deve ter a consciência de que não é dono do rebanho. Ele cuida de ovelhas que pertencem ao Senhor JESUS e não a ele.

a) Não “por força”. Por isso, o presbítero, pastor ou bispo não tem o direito de usar “a força” ou o autoritarismo para dirigir a igreja local. Já ouvimos de obreiro que, aborrecido com alguma atitude de um ou outro crente, esbraveja, no púlpito: “Aqui, quem manda sou eu; quem quiser pode sair”. Esse tipo de comportamento revela um obreiro fracassado; que não tem autoridade nem competência para cuidar do rebanho de DEUS. O líder cristão não deve agir “por força”, mas pelo poder do ESPÍRITO de DEUS (cf. Zc 4.6).

2) “Mas voluntariamente”. O trabalho do presbítero deve ser voluntário, ou espontâneo. Não deve ser feito por obrigação imposta. Os obreiros que mais progridem em seus ministérios e as igrejas sob seu cuidado crescem são aqueles que o fazem por satisfação.

3) “Nem por torpe ganância”. Uma das qualificações do presbítero ou bispo é não ser “cobiçoso de torpe ganância” (Tt 1.7). E não ter apego “ao lucro desonesto”, ao uso indevido dos recursos financeiros da igreja que dirige.

4) “Mas de ânimo pronto”. Essa recomendação fala de disposição mental para servir à igreja, com prontidão. DEUS chamou Davi para ser rei, porque, entre suas qualidades pessoais ele era “valente e animoso” (1 Sm 16.18). Uma das piores coisas para uma igreja é um obreiro desanimado, sem coragem, sem interesse em ver a obra crescer. Há obreiros que estão à frente de uma igreja, apenas para ter um emprego, uma fonte de renda. Não deve ser indicado para presbítero um obreiro sem ânimo.

Uma das principais causas de estagnação do crescimento de igrejas é a falta de ânimo espiritual de seus líderes. Sem a alegria do ESPÍRITO SANTO não há crescimento qualitativo e nem quantitativo.

5) “Nem como tendo domínio sobre a herança de DEUS”. É um terrível engano, quando o obreiro acha que é dono da igreja local. JESUS não chama o obreiro para que ele “mande” na igreja, mas para ser servo da igreja. Autoritarismo não faz parte da liderança cristã. A resposta de JESUS ao desejo de grandeza (Mt 20.21) foi uma lição eloquente para todos os líderes cristãos (Mt 20.25-28). Decisões devem ser tomadas em conjunto. “Na multidão de conselhos se acha sabedoria”.

6) “Mas servindo de exemplo ao rebanho”. O presbítero ou bispo deve ser um líder. E o verdadeiro líder não é o que “manda”, mas o que vai à frente dos liderados. O Bom Pastor não manda as ovelhas irem à frente. Ela vai “… adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz” (Jo 10.4). O líder é o que influencia com seu exemplo as ovelhas e elas o seguem para o seu objetivo.

2-O DEVER DE REPREENDER

1 Timóteo 5:1-2

Sempre é muito difícil repreender a outro com afabilidade; e a Timóteo algumas vezes corresponderia uma tarefa duplamente difícil — a de repreender uma pessoa mais velha que ele.

Crisóstomo escreve: “A reprimenda ofende por natureza, em particular quando é dirigida a uma pessoa mais velha; e quando provém de um homem jovem também, há uma tripla amostra de atrevimento. Deverá suavizá-la, portanto, com o modo e benignidade da mesma. Porque é possível repreender sem ofender, se tão somente se cuida nisso; requer uma grande discrição, mas pode-se fazer.”

Sempre é problemático censurar e repreender. Podemos detestar tanto a tarefa de advertir a alguém que a evitemos por completo. Muitas pessoas se teriam salvado de cair na aflição ou na desgraça, se alguém lhes tivesse advertido ou repreendido a tempo. Não pode haver nada mais terrível na vida que escutar a alguém que nos diga o seguinte: “Nunca teria chegado a isto, se você me tivesse falado a tempo.” É um equívoco evitar a palavra que se devia pronunciar.

Podemos censurar e repreender a uma pessoa de tal forma que não haja nada mais que irritação em nossa voz e amargura em nossas mentes e corações. A repreensão irada e a reprimenda que rechaça e despreza são raramente efetivos, e o mais provável é que causem mais mal que bem.

Só a reprimenda que provém do amor é efetiva. Se alguma vez tivermos razão para repreender a alguém, devemos fazê-lo de tal maneira que esclareçamos que o fazemos, não porque o desejamos, mas sim porque somos obrigados pelo amor, e porque queremos ajudar e não ferir.

3-Ungir os enfermos.

A unção com óleo é um ato de fé que acompanha a “oração da fé”, feita por homens de DEUS, que, liderando a igreja local, ou auxiliando os pastores-líderes, atendem aos que se encontram enfermos, e oram por sua cura, “em nome de JESUS” (Mc 16.18c). Orar pelos enfermos e curá-los é sinal de fé para “os que crerem”, independente de serem obreiros regulares. Mas orar com unção com óleo é confiado aos presbíteros.

Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 137.

Tg 5.14 Uma característica da igreja primitiva era a sua preocupação com os doentes e o cuidado para com eles. Aqui Tiago incentiva os doentes para que chamem os presbíteros da igreja, pedindo aconselhamento e oração. Os presbíteros eram pessoas espiritualmente amadurecidas, responsáveis pela supervisão das igrejas locais (veja 1 Pe 5.1-4). Os presbíteros iriam orar sobre a pessoa doente, pedindo a cura ao Senhor. A seguir, eles a ungiriam com azeite em nome do Senhor. Enquanto oravam, os presbíteros deviam pronunciar claramente que o poder da cura residia no nome de JESUS. A unção era frequentemente usada pela igreja primitiva nas suas orações pedindo cura. Nas Escrituras, o azeite era tanto um remédio (veja a parábola do bom samaritano, em Lucas 10.30-37) como um símbolo do ESPÍRITO de DEUS (como quando usado para ungir reis; veja 1 Sm 16.1-13). Desta forma, o azeite pode ter sido um sinal do poder da oração, e pode ter simbolizado a separação da pessoa enferma para a atenção especial de DEUS.

CONCLUSÃO:

Os padrões bíblicos do presbítero são principalmente morais e espirituais. O caráter íntegro é mais importante do que personalidade influente, dotes de pregação, capacidade administrativa ou graus acadêmicos, por mais que tudo isso seja também importante. O enfoque das qualificações ministeriais concentra-se no comportamento daquele que persevera na sabedoria divina, nas decisões acertadas e na santidade de vida. Há três textos bíblicos principais que apresentam, em forma de instrução e prescrição, as qualificações necessárias dos presbíteros (1Tm 3.1-7; Tt 1.5-9; 1Pd 5.1-3). O assunto é extremamente importante e sempre atual para cada igreja local. O cristão consciente sabe muito bem o quanto é valioso para a igreja ter presbíteros que satisfaçam a essas referências bíblicas. São listados a seguir algumas qualificações necessários aos presbíteros. Vejamos:

• Irrepreensível (1Tm 3.2; Tt 1.6,7);

• Vigilante, sóbrio, temente, honesto e moderado (1Tm 3.2; Tt 1.7,8);

• Hospitaleiro (1Tm 3.2; Tt 1.8);

• Apto para ensinar, sábio (1Tm 3.2; Tt 1.9);

• Não dado ao vinho e não violento, mas moderado (1Tm 3.3; Tt 1.7);

• Inimigo de contendas (1Tm 3.3; Tt 1.6);

• Não cobiçoso ou avarento (1Tm 3.3; Tt 1.7);

• Aprovado na sua família (1Tm 3.4,5; Tt 1.6);

• Marido de uma mulher e que governe bem sua casa (1Tm 3.2; Tt 1.6);

• Não seja neófito, ou seja, novo convertido (1Tm 3.6; Tt 1.7);

• É preciso ser experimentado para não se ensoberbecer, obediente (Tt 1.6);

• Ter bom testemunho (1Tm 3.7);

• Ser “exemplo dos fiéis” (1Tm 4.12,15; Tt 2.7; 1Pd 5.3);

• Ser Fiel (1Co 4.1,2);

• Amigo do bem (Tt 1.8; 1Pd 5.2);

• Ser dedicados à Palavra e ao ensino (1Tm 5.17-19). Que Deus levante mais presbíteros para ajudar na igreja do Senhor.


Comente a matéria

*Seu e-mail não será publicado.

*
*

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
YouTube
YouTube
Instagram